Homeopatia

Homeopatia

Método de tratamento criado pelo médico alemão Samuel Hahnemann, em 1796, que se fundamenta na Lei dos Semelhantes,
citada pelo Pai da Medicina Hipócrates no ano 450 a.C. Segundo esta lei, os semelhantes se curam pelos semelhantes, isto é,
para tratar um indivíduo que está doente é necessário aplicar um medicamento que apresente (quando experimentado no
homem sadio) os mesmos sintomas que o doente apresenta.
Se uma pessoa sã ingerir doses tóxicas de certa substância, irá apresentar sintomas como dores gástricas, vômitos e diarréia;
se, por outro lado, for administrada essa mesma substância, preparada homeopaticamente, ao enfermo que apresenta dores
gástricas, vômitos e diarréia, com características semelhantes àquelas causadas pela substância em questão, obtêm-se,
como resultado, a cura desses sintomas.

O que é o medicamento homeopático?
Os medicamentos homeopáticos são preparados a partir de substâncias extraídas da natureza, provenientes dos reinos
mineral, vegetal ou animal.
Para que a substância da natureza seja usada como medicamento homeopático, é necessário prévio conhecimento de
sua potencialidade curativa, através da experimentação no homem são. Tais substâncias podem ser tanto tóxicas quanto
inertes, desde que, quando experimentadas, ofereçam a melhor similitude aos sintomas da doença a ser tratada.

As preparações básicas dessas substâncias recebem o nome de tinturas-mãe e a partir delas são iniciados os processos
das diluições sucessivas.

No início de suas experiências, Hahnemann começou diluindo os medicamentos e verificou que, quanto mais diluía,
minimizavam-se as reações indesejáveis. Percebeu também que ao fazer diluições sucessivas das substâncias e agitá-las
diversas vezes, obtinha sempre melhores resultados, foi assim que ele chegou às doses mínimas. Desta maneira,
a toxicidade das substâncias é atenuada e o potencial curativo é aumentado.
Ao processo de diluição seguido de agitação, damos o nome de dinamização (dynamis- vem do grego e significa força).
Através da dinamização, se consegue despertar na substância a capacidade de agir sobre a força vital do organismo vivo.

Por que dizem que o medicamento homeopático é só água, não tendo nada dentro?
Quando Hahnemann iniciou a experimentação, percebeu que certas substâncias não poderiam ser usadas em grandes
quantidades, passando assim, a diluí-las sempre na escala de 1 para 100, criando um método reproduzível. A cada diluição
chamou de Centesimal, mais tarde, para diferenciá-la de outras escalas denominou-se de Centesimal Hahnemanniana - CH.
Para usá-las como medicamento procedia da mesma forma. Contudo, percebeu que, mesmo diluídas, apresentavam agravações
(aumento inicial da intensidade dos sintomas) quando prescritas aos pacientes. Passou, então, a diluir cada vez mais, agitando
o medicamento (sucussões), obtendo, desta forma, melhores resultados.

Mas não chega uma hora que, diluindo-se tanto, acaba a substância original?
Sim, daí a necessidade das sucussões, ou seja, agitar o frasco também 100 vezes a cada vez que se dilui.
O efeito medicamentoso em homeopatia não é bioquímico, mas energético. A substância ao ser diluída e agitada, libera na
água uma informação que ao ser pingada sob a língua, a transfere para o paciente. A informação ali contida estimula os
mecanismos naturais de cura do indivíduo (vix medicatrix naturae), levando-o da doença para a saúde, através de suas
próprias condições intrínsecas.

Estudos vêm sendo realizados com as chamadas soluções não moleculares visando provar o efeito biológico, não só da
homeopatia, mas de outros produtos que atuam da mesma forma: in vivo e não in vitro.

Por que a consulta homeopática é diferente da alopática?
A consulta homeopática se caracteriza por abordar uma série de sintomas e perguntas mais abrangentes do que a
consulta de um médico ortodoxo. Além de fazermos os diagnósticos médicos usuais realizamos uma série de outros
diagnósticos homeopáticos, inclusive, o medicamentoso, utilizando o procedimento médico Repertorização e recorrendo
para tanto, à ajuda de diversos livros e computadores.

A consulta homeopática é mais longa?
Cada ser humano tem o seu “timing” ou seja, algumas vezes chegamos a um diagnóstico rapidamente, entretanto em
outras oportunidades, apesar de aplicarmos corretamente todas as técnicas, levamos mais tempo que o esperado.
O tempo necessário para a realização da consulta médica homeopática dependerá basicamente da qualidade das informações
fornecidas pelo paciente, a experiência do médico e os recursos disponíveis para sua realização (livros, computadores, etc).
Normalmente a cada regresso do paciente, o médico avalia os sintomas pelos quais foi prescrito o medicamento, fazendo,
assim, o que chamamos de uma Nova Avaliação, o que é absolutamente diferente de um simples retorno, pois implica na retomada
de todo o caso. Avaliações mais freqüentes para verificar como está evoluindo um determinado quadro patológico (amigdalite,
pneumonia por ex.) chamamos de Revisões. As Novas Avaliações e Revisões são solicitadas pelo médico com a finalidade
de dar seguimento ao tratamento homeopático, sendo imprescindíveis para o seu sucesso.

A medicina homeopática é muito lenta para tratar as doenças?
Não, absolutamente. O que ocorre é que como a homeopatia se preocupa com as causas que levaram o indivíduo ao
desequilíbrio, algumas vezes aumentando aparentemente a intensidade dos sintomas, com vistas a fortalecer os mecanismos
naturais de cura e não os suprimindo simplesmente, tem-se a falsa impressão de que os medicamentos homeopáticos são lentos
em sua atuação, mas, pelo contrário, se o paciente encontra-se energeticamente responsivo, a ação é notada instantaneamente.

A Homeopatia cura todas as doenças?
Não, a homeopatia não é a panacéia universal. Como toda técnica terapêutica tem seu campo de atuação e limites. A habilidade
e experiência do médico homeopata influem nos resultados, na medida em que os sintomas a serem tomados para a prescrição
dependem de um acurado exame, em que a hierarquização realmente eficaz para cada caso depende muito mais da capacidade
de percepção e julgamento do homeopata (adquiridas na prática diária) do que da erudição técnica. A colaboração do paciente,
fornecendo os sintomas de forma clara e fidedigna, o uso ou não de outros produtos concomitantemente, a qualidade do
medicamento homeopático e a condição genética (herdada) do paciente também são fatores determinantes do sucesso total ou
parcial do tratamento homeopático.