Tinturas Essencial

Tinturas Essencial

As tinturas são preparações líquidas resultantes da ação dissolvente de um veículo alcoólico sobre drogas de origem vegetal.
Elas são obtidas pela maceração da planta fresca ou seca em álcool em diferentes dissoluções.

As tinturas podem ser um produto final quando usadas diretamente pelo paciente (por exemplo, tinturas de Calêndula, Arnica, etc)
ou uma matéria prima, quando incorporadas em formulações de uso tópico (pomadas, cremes e géis) ou de uso interno (xaropes).
Na Homeopatia elas são chamadas de tinturas-mãe quando servem de origem para o preparo dos medicamentos dinamizados.

PRINCIPAIS TINTURAS E APLICAÇÕES

ABACATEIRO (Persea gratissima)
Diurética, colagoga, emenagoga, carminativa, afecções hepáticas.

ABACAXI (Bromelia ananas, Linné)
Afecções das vias respiratórias.

ABÓBORA DANTA (Trianosperma trilobata, Cogniaux)
Depurativo do sangue e fortificante.

ABÚTUA (Chondrodendron platyphylum)
Afecções renais, inflamações da bexiga, diurética, aperiente e tônica.

AÇAFRÃO (Curcuma longa)
Combate gases intestinais, digestões difíceis e doenças das vias urinárias.

AÇAI (Euterpe oleacea)
Tonificante, Refrescante e Adstringente

ACEROLA (Malpighia glabra, Linné)
Antioxidante e repositor de Vitamina C

AÇOITA CAVALO (Guazuma ulmifolia)
Anti-hemorrágico, desintérico e reumático

ACÔNITO (Aconitum nappellus)
Analgéssico, anticongestiva, cardiotonica, diaforético, sedativa e sudorífera

AGONIADA (Plumeria lancifoliata, Muell)
Combate inflamações, fraqueza geral, febres,digestão difícil e erupções da pele

AGRIÃO (Nasturtium officinale)
Estimulante, tônico, depurativo, antiescorbútico e antiinflamatório

ALCACHOFRA (Cynara scolymus, Linné)
Colerético, colagogo, laxativo e afecções do aparelho digestivo

ALCAÇUZ (Periandra dulcis, Martius)
Estomáquico, béquico, vias respiratórias, emoliente e laringite

ALECRIM (Rosmarinus officinalis, Linné)
Dispepsias, esgotamento físico ou intelectual, gripes e febres

ALFAFA (Medicago sativa, Linné)
Protéico, alto valor nutritivo e convalescenças

ALFAVACA (Ocinum basilicum)
Bronquites, tosses, gripes, antiespasmódico,aromático e sudorífico

ALFAZEMA (Lavandula officinalis, Chaix)
Estimulante, antiespasmódico e hipnagogoCuidado no uso interno

ALGAS MARINHAS (Hypnea,sp)
Laxativo, inibidor do apetite e protéico

ALGODOEIRO (Gossypium herbaceum, Linné)
Diurético, antiinflamatório, hemostático e galactagogo

ALGODOEIRO SEMENTE (Gossypium herbaceum, Linné)
Diurético, antiinflamatório, hemostático e galactagogo

ALHO (Allium sativum, Linné)
Expectorante, antisséptico pulmonar, antiinflamatório, antibacteriano e vermífugo

ALOE DO CABO (Aloe ferox, Miller)
Laxante, estimulante,colagogo, usado na obstipaçao ocasional e distúrbios hepáticos

ALTÉIA (Althea officinalis, Linné)
Emoliente, afecções catarrais, bronquites tosses e protetora de mucosa

AMOR DO CAMPO (Desmodium auxiliare, De Candolle)
Afecções venéreas, emoliente e adstringente

AMORA (Morus rubra, Linné)
Adstringente e afecções da garganta

ANDIROBA (Carapa guianensis)
Repelente, reconstituite celular da derme ação purgativa na eliminação de vermes

ANGÉLICA (Angelica archangelica, Linné)
Anorexia nervosa, tônica, estomáquica, estimulante e carminativa

ANGICO (Piptadenia colubrina, Bentham)
Hemostático, tônico, bronquites, leucorréia,depurativo e adstringente

ANIZ ESTRELADO (Illicium verum,Hooker)
Carminativo, estimulante, estomáquico e mau hálito

APERTA RUÃO (Piper aduncum, Vellozo)
Cistites, uretrites, diarréias, úlceras externas,adstringente e fígado

AQUILÉIA (Aquillea millefolium, Linné)
Odontalgias, adstringente, emenagogo e carminativo

ARNICA MONTANA (Arnica montana, Linné)
Vulnerário, cicatrizante e traumatismos Cuidado no uso interno

ARNICA NACIONAL (Solidago microglossa DC)
Hiperemiante e Antiinflamatório

AROEIRA (Schinus aroeira, Veel)
Diurética e Infecções diversas

ARRUDA (Ruta graveolens, Linné)
Antiinflamatório e Anti-radicais Livres

ARTEMÍSIA (Artemisia vulgaris, Linné)
Atonia uterina, emenagoga e antiespasmódico

ASSA PEIXE (Vermonia polyantes, Less)
Cálculos renais, bronquite e tosse rebelde

AVEIA (Avena sativa, Linné)
Diurético, sedativo, excitante SNC e emoliente

AVENCA (Adianthum capillus veneris, Linné)
Expectorante suave, béquica, emenogoga, diurética, diaforética, emoliente e adstringente

BABOSA (Aloe vera, Linné)
Antiinflamatório, emoliente, calmante, regenerador, purgativo e estomáquico

BADIANA (Illiciumoker verum, Ho)
Problemas estomacais, catarros crônicos, cólicas e flatulências

BAICURU (Plumeria lancifoliata, Muell)
Combate inflamações, fraqueza geral, febres,digestão difícil e erupções da pele

BÁLSAMO DE TOLÚ (Myroxilum balsamum Linné)
Bronquites, traquites e laringites

BANCHA (Thea sinensis L)
Estimulante digestivo

BARBATIMÃO (Stryphnodendron barbatimao, Martius)
Banhos de assento, adstringente, cicatrizante tônico e feridas

BARDANA (Arctium lappa, Linné)
Depurativo eficaz, infestações acnéicas, sudorífica e diurético

BAÚNA (Cecropia Peltata)
Bronquites, tosses, afecções respiratóriasze diurese

BELADONA (Atropa belladona, Linné)
Sedativo da tosse, antiespasmódico, e asmacólicas intestinais

BENJOIN (Stryrax tonkinense)
Infecção urinária, antisséptico e bronquite

BERINJELA (Slonanum melongena, Linné)
Protetor das funções hepáticas, colagogo, digestivo e controla o colesterol

BETERRABA (Beta vulgaris, Linné)
Anemia, contusão, eczema, prevenção de resfriados e gripes

BOLDO DO CHILE (Pneumus boldus, Linné Molina)
Estimulante da digestão e afecções hepáticas

BUCHINHA DO NORTE (Luffa opercullata, Cogn)
Sinusites e rinites alérgicasInalações com cuidado

CACTUS (Cereus grandiflorus, Linné)
Cardiotônico, diurético e insuficiência aórtica

CAJUEIRO (Anacardium occidentale, Linné)
Adstringente, tônico, anti-diabético, anti-hemorrágico e aftas

CALÊNDULA (Anacardium occidentale, Linné)
Emenagogo, menstruação difícil, cicatrizante equeimaduras

CALUMBA (Cocculos palmatus)
Tônico, combate afecções do estômago, vômitos,indigestão, dispepsias e diarréias

CAMBARÁ (Lantana camara, Linné)
Balsâmico, expectorante e antiespasmódico

CAMOMILA (Matricaria chamomilla, Linné)
Anti-flatulento, antiespasmódico, cefaléas e embaraços

CANA DO BREJO (Costus spicatus, Swartz)
Diurético, depurativo, cálculos renais e catarro da bexiga

CANARANA (Costus spicatus)
Afecções renais

CANELA CEILÃO (Cinnamomum zeylanicum)
Adstringente, afrodisíaca, anti-séptica, aromática,hipertensora, sedativa e tônica

CANELA CHINA (Cinnamomum aromaticum, Ness)
Estimulante das funções digestivas, circulatórias e tônica

CAPIM CIDRÃO (Cymbopogon citratusDC Stapf)
Aromático, digestivo, carminativo e calmante suave

CAPSICUM (Capsicum frutescens)
Estimulante da digestão e da circulação sanguínea, reumatismo e dispepsia atônica

CARAPIÁ (Dorstenia arifolia)
Anti-febril, tônico, solidificação óssea, diaforético e emenagogo

CAROBA (Jacaranda semiserrata C)
Diurético, doenças venéreas, cicatrizante e dores articulares

CARQUEJA (Baccharis triptera, M)
Tônico amargo, estomacal, funções hepáticas e desperta o apetite

CASCA D’ANTA (Drimys winteri, Forts)
Diurético, estomáquico, anemia, fraqueza, diarréia e dispepsias

CASCA DE LARANJA AMARGA (Citrus auranntium, Linné)
Gastralgias, dispepsias e flatulências

CASCARA SAGRADA (Rhamus purshina DC)
Estomacal laxativo de uso prolongado e constipação crônica

CASSAU (Aristolochia sp)
Emenagogo, estimulante, tônico e diurético

CASTANHA DA ÍNDIA (Aesculus Hippocastanum, Linné)
Anti-hemorroidal, varizes e flebites varicosas

CATINGA DA MULATA (Stachys fluminensis)
Tônica, estimulante e anti-herníntica

CATUABA (Erythroxylum catuaba, Martius)
Tônico, estimulante, afrodisíaco e impotência

CAVALINHA (Equisetum arvense, Linné)
Remineralizante, diurético e hemostático

CENTAUREA MENOR (Erythraea centaurium, Pers)
Dispepsias dolorosas, aperiente e tônico

CENTELLA ASIÁTICA (Centella asiatica Linné Urban)
Afecções cutâneas e estimulante cutâneo

CHÁ DE BUGRE (Cordia encalyculata, Vell)
Anti-diarréico e anti-reumático

CHÁ VERDE (Camelia sinensis)
Adstringente, analgésica, antiasmática e imunoestimulante, regeneradora

CHAPÉU DE COURO (Echinodorus macrophillus, Kunt)
Doenças renais, reumáticas e ácido úrico

CHICORIA (Cichorium endivia)
Antiescorbútica, depurativa, digestiva, mineralizante, tônica e vermífuga

CIPÓ AZOUGUE (Apodanthera smilacifolia)
Reumatismo e do artritismo, neuralgias, tosses e bronquites

CIPÓ CABELUDO (Mikania hirsutissima DC)
Anti-albuminúrico, diurético e afecções urinárias

CIPÓ CRAVO (Tyannanthus fasciculatus, Miers)
Indicado para dispepsias, inapetência, digestão difícil e gases

CIPÓ CRUZEIRO (Chiococca alba)
Diurético, vomitivo, purgativo e hidropsias

CIPÓ PRATA (Banisteria argyrophylla, Juss)
Diurético

CIPÓ SUMA (Anchieta salutaris, Saint – Hilaire)
Depurativo, excita a salivação, furúnculos e dartros

CÓCULOS (Cocculos filipendula)
Produz tônico estomacal que seria capaz de equilibrar a secreção dos sucos digestivos

COENTRO (Coriandrum sativum)
Carminativo, digestivo e estimulante

CONDURANGO (Gonolobus condurango)
Estomáquico, eupéptico e estimulante do pâncreas

CONFREY (Symphytum officinale, Linné)
Cicatrizante, anti-inflamatório e bronquites

COPAÍBA (Copaifera officinallis, Linné)
Antisséptico, cicatrizante, expectorante, estimulante, carminativa e laxativa

CORDÃO DE FRADE (Leonitis nepetaefolia, Benth)
Anemia, fraqueza geral, balsâmico e expectorante

CRATAEGUS (Crataegus oxyacantha, Linné)
Tônico cardíaco, sedativo cardio vascular e contra ind p/ hipotensão

CRAVO DA ÍNDIA (Caryophyllus aromaticus)
Excitante do apetite, digestivo e odontalgias

DAMIANA (Turnera difusa, Wild)
Incontinência urinária, debilidades e afrodisíaco

DENTE DE LEÃO (Taraxacum officinale, Weber)
Insuficiência hepática, colagogo, tônico e depurativo

DOURADINHA (Walteria douradinha, Saint-Hilaire)
Depurativo, diurético e vias respiratórias

EMBURANA CASCA (Torresea cearensis, Allem)
Balsâmica das vias respiratórias, colites

EMBURANA SEMENTE (Torresea cearensis, Allem)
Tônica, gastrite, tosse, expectorante, asma

EQUINÁCEA ANGUSTIFOLIA (Echinacea angustifolia)
Imunoestimulante, antiinflamatória, anti-bacteriana e antiviral

EQUINÁCEA PURPUREA (Echinacea purpurea, L Moench)
Antibacteriana, antibiótico, imonoestimulante fortificante e anti-herpes

ERVA BALEEIRA (Cordia verbenaceae, DC)
Anti-inflamatório e anti- reumático

ERVA CIDREIRA (Lippia alba)
Excitante gástrico, sedativa, carminativa, emenagoga, análgésica e antitérmica

ERVA DE BICHO (Polygonum acre Humboldt)
Vermicida, anti-hemorroidal, diurético e tônico

ERVA DOCE (Pimpinella anisum,L)
Afecções brônquicas e estomáquico

ERVA PASSARINHO (Struthanthus flexicaulis)
Bronquites , tosses, pneumonias e peitoral

ERVA SANTA MARIA (Chenopodium ambrosiodes)
Verminoses e afecções respiratórias Floral

ERVA TOSTÃO (Boerhavia hirsuta)
Colagogo e diurético

ESCAMONÉIA (Convolvulus scammonia)
Purgativo drástico, congestão cerebral e uremia

ESPINHEIRA SANTA (Maytenus ilicifolia,Martius)
Úlceras gástricas, gastrites e câncer estomacal

ESTIGMA DE MILHO (Zea mays)
Diurético, dissolve cálculos renais, inflamações na bexiga e rins

EUCALIPTO (Eucalyptus globulus, Linné)
Combate afecções das vias respiratórias

FEDEGOSO (Cassia ocidentalis, L)
Antiinflamatório, diurético, emenagogo, colagogo,e laxativo

FRÂNGULA (Frangula alnus Mill)
Digestiva, estomáquica, laxante, purgativa, tônica estomacal

FUCUS (Fucus vesiculosos, Linné)
Estimulante da Tireóide, depurativo do sangue,diurético e complemento nutricional

FUNCHO (Foeniculum vulgare, Mili)
Indicado para dismenorréia, dores musculares e reumáticas, anorexia, bronquite e tosses

GARCÍNIA (Garcinia cambogia,L)
Diminui a produção de gorduras, e diminui o apetite

GARRA DO DIABO (Harpagophytum procumbens)
Analgésica e antiinflamatória

GENCIANA (Genciana lutea Linné)
Estimulante da digestão, tônico, colagoga e colerética, depurativo, febrífuga e vermífuga

GENGIBRE (Zingiber officinalis)
Estomáquico, carminativo, antiemético, espasmolítico e estimulante da circulação

GERVÃO (Stachytarpheta cayenensis)
Estimulante digestivo, prisão de ventre, feridas e afecções da pele

GINKGO BILOBA (Ginkgo biloba,L)
Tratamento de micro-varizes, cansaço das pernas e artrite nos membros

GINSENG PFAFFIA (Pfaffia glomerata Spreng)
Estimulante do SNC, revitalizante físico, psíquico e tônico pulmonar

GRAVIOLA (Anona muricata)
Adstringente, anti-reumática, antitumoral cardiotônico diuretica e calmante

GRINDÉLIA (Grindelia robusta, Nut)
Antiespasmódico, expectorante, béquico, hipotensor e antiinflamatório

GUAÇATONGA (Casearia sylvestris)
Antiúlcera, antisséptica e tônica

GUACO (Mikania glomerata,S)
Expectorante, broncodilatador, peitoral e antiasmática

GUARANÁ (Paulinia cupana,K)
Estimulante, energético, estimulante do apetiteadstringente, afrodisíaco e tônico

HAMAMÉLIS (Hamamelis virginiana,L)
Adstringente, hemostático, vasoconstritor e etônico

HERA (Lawsonia inermis)
Analgésica, antiespasmódica, cicatrizante, anticelulítica e descongestionante tópico

HIBISCO (Hibiscus sabdariffa, Linné)
Antiespasmódico, diurético, digestivo,laxante e corante

HIPÉRICUM (Hipericum perforatum, Linné)
Calmante, anti-depressivo, adstringente, sedativo, antisséptico

HORTELÃ (Mentha piperita)
Carminativa, eupéptica, estimulante, colagoga e estomáquica

IPÊ ROXO (Tabebuia avellanedae,LOR)
Antimicrobiana, antiinflamatória e analgésica

IPECACUANHA (Cephaelis ipecacuanha, A)
Emético e expectorante

JABORANDI (Pilocarpus microphyllus)
Anti-queda de cabelos, estimulante capilar, miótica, febrífuga e diaforética

JALAPA (Convolvulus operculatus)
Purgante, laxativa e depurativo do sangue

JAMBOLÃO (Syzygium jambolanum DC)
Adstringente, combate hemorragias, perturbações do estômago e gases

JAPECANGA (Smilax japecanga,Grisebach)
Diurético e depurativo

JARRINHA (Aristolochia sp)
Anti-hemorroidal, diaforético, diurático, emenagoga, estimulante e tônico

JATOBÁ (Hymenaea courbaril,L)
Combate tosses, bronquites, asma, laringites,fraqueza em geral e hemoptises

JEQUITIBÁ (Cariniana brasiliensis)
Combate a desinteria, diarréia, anginas, leucorréia,hemorragias uterinas e amigdalite

JOÃO DA COSTA (Echites peltata)
Antiinflatória e antiulcerogênia

JURUBEBA (Solanum paniculatum,L)
Afecções do fígado, inflamações do baço, atoniagástrica, úlceras e dispepsia

KIWI (Actinidia deliciosa)
Antioxidante, preventivo de envelhecimento antianêmico, antiescorbútica e digestiva

LARANJA AMARGA (Citrus amara)
Alcolinizante, antidepressiva , antiescorbútica, diuretic, sedativa e vitalizante

LIMÃO BRAVO (Siparuna apiosyce DC)
Tosses, bronquites, gases e afecções hepáticas

LOBÉLIA (Lobelia inflata,L)
Combate a asma, bronquite, coqueluche e inflamações da bexiga

LOSNA (Artemisia absisthium,L)
Antisséptica, digestiva, tônica, vermífuga e emenagoga

LÚPULO (Humulus lupulus,L)
Antiartrítico, anti-séptico, aperitivo, calmante digestivo, diurético e sedativo

MACAÉ (Leumurus sibirucus,L)
Digestivo, diurético, cicatrizante, emenagoga, estomáquico e expectorante

MACELA (Achyurocline satureoides)
Antiinflamatória, calmante, bactericida, miorrelaxante e antiespasmódica

MALVA (Malva silvestris, Linné)
Antiinflamatório, emoliente e demulcente

MAMA-CADELA (Brosimum guadichaudii, Tec)
Nos casos de Vitiligo é associado as plantas hepáticas

MANJERICÃO (Ocimum basilicum,L)
Carminativo e estomáquico

MARACUJÁ (Passiflora alata,Ariton)
Calmante, histerias, neuroses e insônia

MARAPUAMA (Ptychopetalum olacoides,B)
Tônico, nervino, afrodisíaco, depressão e astenia

MASTRUÇO (Chenopodium ambrosioides,sp)
Depurativo, expectorante, digestivo e tosses

MATE VERDE (Ilex paraguariensis, SH)
Estimulante nervino muscular e digestivo

MEIMENDRO (Hyoscyamus niger,L)
Calmante do Sistema Nervoso

MELÃO S CAETANO (Momordica charantia,L)
Febrífugo, anti-reumático e anti-helmíntico

MELISSA (Melissa officinalis,L)
Estomáquico, carminativo e calmante

MIL HOMENS (Aristolochia cymbifera,M)
Afecções gástricas, hepáticas, renais,baço e tensão pré-menstrual

MIRRA (Commiphora mirra)
Atônias gástricas, antisséptica em colutórios

MULUNGU (Erythrina mulungu,Martius)
Insônia, histeria, neurose, hipnótico e sedativo

MURURÉ (Urostigma cystopodium,Miq)
Depurativo do sangue, anti-sifilítico, leproso, reumatismo e artritismo

MUTAMBA (Guazuma ulmifolia,L)
Diaforético, contra afecções do fígado e externamente no tratamento de feridas

NÓ DE CACHORRO (Veonia cognata,L)
Estimulante, afrodisíaco e impotência

NOGUEIRA (Juglans regia L)
Hipoglicemiante, afecções e adstringente

NOZ DE COLA (Cola vera KSchum)
Tônico, estimulante cerebral e cardiotônico

NOZ MOSCADA (Myristica fragans,H)
Estimulante, eupéptico e carminativo

NOZ VÔMICA (Strychnos nux-vomica,L)
Antidispéptica, aperiente, cardiotônico, excitante do sistema nervoso central

ÓLEO VERMELHO (Myroxylon balsamum,L)
Balsâmico, expectorante e cicatrizante

PACOVÁ (Alpinia aromatica, Jacquim)
Anti-sifilítica, estomáquica e carminativa astenia

PAPOULA RUBRA (Papaver rhoeas, L)
Empregado nas vertigens, exacerbação nervosa, dores, acesso de tosse e asma

PARATUDO (Cinamodendron axiliare)
Diurético, estomáquico, anemia, fraqueza, diarréia e dispepsias

PARIETÁRIA (Parietaria officinalis, L)
Usado nas afecções das vias urinárias, da pele e cicatrizante

PARIPAROBA (Piper umbellatum,V)
Colagogo, ingurgitamentos do fígado e baço

PATA DE VACA (Bauhinia spp)
Empregada nos tratamentos da diabetes

PAU D´ARCO (Tabebuia serratifolia Vahl Nich)
Analgésico, antiblenorrágica, antimicrobiana, bactericida e diurético

PAU FERRO (Caesalpinia ferrea,M)
Depurativo, anti-diabético e adstringente

PAU PEREIRA (Geissopermum vellosi,Fr Cill)
Tônico amargo e febrífugo

PAU TENENTE (Quassia amara)
Tônico, distúrbios de atonia gástrica e falta de apetite

PÉ DE PERDIZ (Croton perdicipes)
Auxilia no combate a diabete

PEDRA UME KÁA (Murcia sphaerocarpa)
Adstringente e anti-diabético

PFAFFIA PANICULATA (Pfaffia paniculata)
Tônico, estimulante físico e psíquico e ativador na formação de leucócitos

PHITOLACA (Phitolaca decandra)
Depurativo

PICÃO PRETO (Bidens pilosa)
Afecções cutâneas, febrífugo e depurativo

PITANGA (Plinia rubra)
Adstrigente, analgésica, depurativa, digestiva, estimulante, refrescante, refrigerante

POEJO (Mentha pulegium,L)
Carminativo, emenagogo, diaforético e estimulante

POLIGALA (Poligala senega,L)
Vomitivo, purgativo, diurético, tosses e bronquites

PRÓPOLIS (Propolis)
Antimicrobiana, calmante e analgésico

PRÓPOLIS VERDE (Baccharis dracunculifolia)
Anti-microbiana, anti-inflematória, cicatrizante bactericida e analgésica

PULMONARIA (Pulmonaria officinalis,L)
Expectorante, diurético, sudorífico e desinfetante

QUASSIA (Quassia amara,L)
Estimula o apetite, tônico amargo e eupéptico

QUEBRA PEDRA (Phyllantus niruri,L)
Afecções das vias renais e urinárias colagogo

QUILAIA (Quillaja saponaria,Molina)
Expectorante e sucedâneo da polígala

QUINA CALISSAIA (Cinchoma calyssaia)
Anemias, estomacal, tônico e febrífugo

QUINA DO MATO (Cinchoma succirubra)
Usada contra febres intermitentes

QUINA MINEIRA (Cinchoma succirubra)
Febrífugo

QUINA VERMELHA (Cinchoma succirubra)
Tônico e adstringente

RAIZ DE ANIL (Indigofera anil,Linné)
Anti-séptica, antidisentérica, carminativa, digestiva e galactagoga

RAIZ DE LOTUS (Relumbo nucifera,G)
Antitussígenas, emolientes e catarrais

RASPA DE JUÁ (Ziziphus juazeiro,Martius)
Tônico capilar, febrífugo, dentifrício e expectorante

RATANIA (Krameria triandra Ruiz & Pav)
Adstringente e vermífugo

ROMÃ (Punica granatum,L)
Adstringente, antisséptico, diarréia rebelde e leucorréia

ROSAS RUBRAS (Rosa gallica,L)
Constipação simples, laxativo e eupéptico

RUIBARBO (Rheum palmatum,L)
Diaforético, diurético e emoliente

SABUGUEIRO (Sambucus nigra,L)
Resfriados, gripes, febrífogo.

SALSÃO (Salvia officinalis, Linné)
Indicada para amenorréia, dismenorréia, hemorragia uterina e dispepsia

SALSAPARRILHA (Smilax sp)
Ácido úrico, colesterol, depurativo e diurético

SÁLVIA (Salvia officinalis,Linné)
Debilidade nervosa e atônia digestiva

SAMAMBAIA (Polypodium felix)
Sudorífico, afecções respiratórias e reumatismo

SASSAFRAZ (Ocotea pretiosa,Mez)
Erupções cutâneas, sudorífico e diurético

SENE (Cassia angustifolia,L)
Laxativo e purgativo

SETE SANGRIAS (Cuphea ingrata,Chon)
Depurativo, afecções venéreas e diaforético

SIMARUBA (Simaruba amara,aublet)
Febrífugo e anti-diarréico

SUCUPIRA CASCA (Bowdichia major,H)
Tônico, depurativo e anti-diabético

SUCUPIRA SEMENTE (Bowdichia major, Martius)
Tônico, depurativo e anti-diabético

TANCHAGEM (Plantago lanceolata,L)
Afecções bucais, úlceras e hemorróidas

TAIUIÁ (Trianosperma ficifolia,M)
Diurético, depurativo, reumatismo e hidropsias

 

TANCHAGEM (Plantago lanceolata,L)
Afecções bucais, úlceras e hemorróidas

TÍLIA (Tilia cordata)
Excitações nervosas, sedativo e antiespasmódico

TOMILHO (Thymus vulgaris,Linné)
Bronquites catarrais, tosses e antisséptico

TRIBULUS TERRESTRIS (Tribulus Terrestris L)
Impotência sexual masculina e perda da libido masculino e feminino

TUIA (Thuya occidentalis,L)
Expectorante, emenagogo e anti-helmíntico

UMBAÚBA (Cecropia hololeuca,M)
Anti-hipertensivo, diurético e contra indicado para palpitações

UNHA DE GATO (Uncaria tomentosa)
Anti-reumática, antimutagênica, antitumoral, contracptiva, hipotensora

URTIGA (Urtiga dioica,L)
Hemostático, hipoglicemiante e anti-seborréico

UVA DO MATO (Cissus gongylodes Burch)
Cólicas de todas as espécies; moléstias hepáticas, renais, uterinas

UVA URSI (Arctostaphylos uva ursi)
Antisséptico das vias urinárias e diurético

UXI AMARELO (Endopleura uchi)
Anti-inflamatória, antioxidante, antiviral, depurativo, diurético, vermífugo, imunoestimulante

VALERIANA (Valeriana officinalis)
Calmante, sonífero, neuroses e insônia

VELAME DO CAMPO (Croton campestris,M)
Depurativo, desobstrente e diúretico

VERBASCO (Verbascum thapsus)
Abcesso, asma, bronquite, cistite e furúnculo

VERBENA (Verbena officinalis)
Hepato-protetor, dispepsia e debilidades

VERONICA (Veronica spicata)
Estimulante estomacal e bronquites

VIBURNO (Viburnum opulus)
Antiespasmódico e tônico do sistema nervoso, combate o aborto e parto prematuro, dismenorréias.

ZANGA TEMPO (Anthurium acaule Hook)
Afecções do couro cabeludo

ZEDOÁRIA (Curcuma zedoaria)
Estomáquico, estimulante e anti-úlceras

ZIMBRO (Juniperus communis,L)
Diurético, balsâmico, diaforético e digestivo

Homeopatia

Homeopatia

Método de tratamento criado pelo médico alemão Samuel Hahnemann, em 1796, que se fundamenta na Lei dos Semelhantes,
citada pelo Pai da Medicina Hipócrates no ano 450 a.C. Segundo esta lei, os semelhantes se curam pelos semelhantes, isto é,
para tratar um indivíduo que está doente é necessário aplicar um medicamento que apresente (quando experimentado no
homem sadio) os mesmos sintomas que o doente apresenta.
Se uma pessoa sã ingerir doses tóxicas de certa substância, irá apresentar sintomas como dores gástricas, vômitos e diarréia;
se, por outro lado, for administrada essa mesma substância, preparada homeopaticamente, ao enfermo que apresenta dores
gástricas, vômitos e diarréia, com características semelhantes àquelas causadas pela substância em questão, obtêm-se,
como resultado, a cura desses sintomas.

O que é o medicamento homeopático?
Os medicamentos homeopáticos são preparados a partir de substâncias extraídas da natureza, provenientes dos reinos
mineral, vegetal ou animal.
Para que a substância da natureza seja usada como medicamento homeopático, é necessário prévio conhecimento de
sua potencialidade curativa, através da experimentação no homem são. Tais substâncias podem ser tanto tóxicas quanto
inertes, desde que, quando experimentadas, ofereçam a melhor similitude aos sintomas da doença a ser tratada.

As preparações básicas dessas substâncias recebem o nome de tinturas-mãe e a partir delas são iniciados os processos
das diluições sucessivas.

No início de suas experiências, Hahnemann começou diluindo os medicamentos e verificou que, quanto mais diluía,
minimizavam-se as reações indesejáveis. Percebeu também que ao fazer diluições sucessivas das substâncias e agitá-las
diversas vezes, obtinha sempre melhores resultados, foi assim que ele chegou às doses mínimas. Desta maneira,
a toxicidade das substâncias é atenuada e o potencial curativo é aumentado.
Ao processo de diluição seguido de agitação, damos o nome de dinamização (dynamis- vem do grego e significa força).
Através da dinamização, se consegue despertar na substância a capacidade de agir sobre a força vital do organismo vivo.

Por que dizem que o medicamento homeopático é só água, não tendo nada dentro?
Quando Hahnemann iniciou a experimentação, percebeu que certas substâncias não poderiam ser usadas em grandes
quantidades, passando assim, a diluí-las sempre na escala de 1 para 100, criando um método reproduzível. A cada diluição
chamou de Centesimal, mais tarde, para diferenciá-la de outras escalas denominou-se de Centesimal Hahnemanniana - CH.
Para usá-las como medicamento procedia da mesma forma. Contudo, percebeu que, mesmo diluídas, apresentavam agravações
(aumento inicial da intensidade dos sintomas) quando prescritas aos pacientes. Passou, então, a diluir cada vez mais, agitando
o medicamento (sucussões), obtendo, desta forma, melhores resultados.

Mas não chega uma hora que, diluindo-se tanto, acaba a substância original?
Sim, daí a necessidade das sucussões, ou seja, agitar o frasco também 100 vezes a cada vez que se dilui.
O efeito medicamentoso em homeopatia não é bioquímico, mas energético. A substância ao ser diluída e agitada, libera na
água uma informação que ao ser pingada sob a língua, a transfere para o paciente. A informação ali contida estimula os
mecanismos naturais de cura do indivíduo (vix medicatrix naturae), levando-o da doença para a saúde, através de suas
próprias condições intrínsecas.

Estudos vêm sendo realizados com as chamadas soluções não moleculares visando provar o efeito biológico, não só da
homeopatia, mas de outros produtos que atuam da mesma forma: in vivo e não in vitro.

Por que a consulta homeopática é diferente da alopática?
A consulta homeopática se caracteriza por abordar uma série de sintomas e perguntas mais abrangentes do que a
consulta de um médico ortodoxo. Além de fazermos os diagnósticos médicos usuais realizamos uma série de outros
diagnósticos homeopáticos, inclusive, o medicamentoso, utilizando o procedimento médico Repertorização e recorrendo
para tanto, à ajuda de diversos livros e computadores.

A consulta homeopática é mais longa?
Cada ser humano tem o seu “timing” ou seja, algumas vezes chegamos a um diagnóstico rapidamente, entretanto em
outras oportunidades, apesar de aplicarmos corretamente todas as técnicas, levamos mais tempo que o esperado.
O tempo necessário para a realização da consulta médica homeopática dependerá basicamente da qualidade das informações
fornecidas pelo paciente, a experiência do médico e os recursos disponíveis para sua realização (livros, computadores, etc).
Normalmente a cada regresso do paciente, o médico avalia os sintomas pelos quais foi prescrito o medicamento, fazendo,
assim, o que chamamos de uma Nova Avaliação, o que é absolutamente diferente de um simples retorno, pois implica na retomada
de todo o caso. Avaliações mais freqüentes para verificar como está evoluindo um determinado quadro patológico (amigdalite,
pneumonia por ex.) chamamos de Revisões. As Novas Avaliações e Revisões são solicitadas pelo médico com a finalidade
de dar seguimento ao tratamento homeopático, sendo imprescindíveis para o seu sucesso.

A medicina homeopática é muito lenta para tratar as doenças?
Não, absolutamente. O que ocorre é que como a homeopatia se preocupa com as causas que levaram o indivíduo ao
desequilíbrio, algumas vezes aumentando aparentemente a intensidade dos sintomas, com vistas a fortalecer os mecanismos
naturais de cura e não os suprimindo simplesmente, tem-se a falsa impressão de que os medicamentos homeopáticos são lentos
em sua atuação, mas, pelo contrário, se o paciente encontra-se energeticamente responsivo, a ação é notada instantaneamente.

A Homeopatia cura todas as doenças?
Não, a homeopatia não é a panacéia universal. Como toda técnica terapêutica tem seu campo de atuação e limites. A habilidade
e experiência do médico homeopata influem nos resultados, na medida em que os sintomas a serem tomados para a prescrição
dependem de um acurado exame, em que a hierarquização realmente eficaz para cada caso depende muito mais da capacidade
de percepção e julgamento do homeopata (adquiridas na prática diária) do que da erudição técnica. A colaboração do paciente,
fornecendo os sintomas de forma clara e fidedigna, o uso ou não de outros produtos concomitantemente, a qualidade do
medicamento homeopático e a condição genética (herdada) do paciente também são fatores determinantes do sucesso total ou
parcial do tratamento homeopático.